Posts Tagged ‘modernismo’

A permanência de Oswald de Andrade

Resenha do livro “Por que ler Oswald de Andrade”, de Maria Augusta Fonseca, Editora Globo, 2008.

por Rubens de Oliveira Martins*

.

Em outubro de 1954, falecia em São Paulo Oswald de Andrade, escritor modernista que simboliza o ideal de liberdade e de efervescência intelectual característicos tanto das vanguardas modernistas de 1922, quanto dos intelectuais posteriormente formados na tradição da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo.

Pouco mais de 50 anos nos separam do convívio com sua figura quixotesca, mas as histórias lendárias a respeito de sua vida pessoal e de sua obra literária continuam vivas e mesclando fatos reais com a imaginação fortemente marcada por atitudes à frente de seu tempo, sem concessões nem meias palavras.

Atualmente podemos dizer que Oswald de Andrade continua sendo mais famoso do que lido, conhecido pelas façanhas que são repetidas freqüentemente pelos manuais de teoria literária utilizados nos colégios. É certo que a retomada da leitura da obra oswaldiana, em prosa, poesia e teatro, é necessária para ultrapassar a dimensão lendária de Oswald de Andrade, e demonstrar sua atualidade e importância.

A possibilidade dessa leitura renovada da obra oswaldiana recebe agora um novo alento com o livro de Maria Augusta Fonseca – “Por que ler Oswald de Andrade” – , que vem a público no mesmo momento em que a Editora Globo re-lança a obra completa de Oswald de Andrade (lembrando que as últimas publicações da obra de Oswald ocorreram nos anos 70, pela Editora Civilização Brasileira, e nos anos 90, pela própria Editora Globo), permitindo o acesso de novos leitores aos seus textos.

Maria Augusta Fonseca é doutora em Letras e docente do Departamento de Teoria Literária e Literatura Comparada, da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo, e é autora de uma importante biografia do autor – publicada originalmente em 1990, e republicada em 2007), o que demonstra as credenciais de especialista e conhecedora do tema.

No livro “Por que ler Oswald de Andrade” a autora apresenta inicialmente uma síntese biográfica de Oswald (no capítulo “Um retrato do artista”), que corresponde a uma iniciação para compreender como vida e obra estão entrelaçados naquele autor. Em seguida encontramos uma “Cronologia” que situa o autor no contexto socio, culturall e político de sua época. Aproveitando-se do domínio de sua formação de crítica literária, a autora nos conduz então pelo capítulo “Ensaio de leitura”, tecendo comentários sobre as obras mais significativas do autor, e complementando essa apresentação com o capítulo “Entre aspas”, no qual o leitor encontra trechos selecionados do próprio Oswald, tomando contato com a força de seu texto. Finalmente, o capítulo “Estante” proporciona uma

bibliografia selecionada dos estudos críticos sobre a obra oswaldiana, biografias, teses e dissertações acadêmicas, e a obra completa do autor. Com seu livro a autora contribui para compreender como a dimensão “lendária” em torno do nome de Oswald de Andrade, associada falsamente à “falta de seriedade”, resultou em uma redução e uma simplificação em relação à sua importância para a vida literária e para a crítica das instituições sociais e políticas no Brasil.

Os leitores de Oswald de Andrade, uma vez iniciados por Maria Augusta Fonseca, poderiam então imaginar que se Oswald vivesse no Brasil atual ainda encontraria motivos suficientes para a manutenção da postura inquieta diante das situações de injustiça que perduram e que dariam matéria a sua língua ferina e as suas sátiras cortantes, sempre permeadas de um humor capaz de transformar em riso aquela seriedade ambicionada pelos desmandos de governos arrogantes.

“Por que ler Oswald de Andrade” demonstra que a atualidade dessa crítica pode ser comprovada pela leitura de “Memórias sentimentais de João Miramar” e “Serafim Ponte Grande”, dois dos livros mais geniais de nossa literatura, bem como pela leitura dos artigos de Oswald publicados em jornais, ou das polêmicas intelectuais em que se envolveu até o fim da vida, sem renunciar à postura de inconformismo e crítica que o caracterizou.

No Brasil do século XXI, submetido a escândalos políticos, crise dos valores éticos da vida pública, desvios de recursos públicos, desigualdades sociais, desemprego, epidemias de doenças típicas das regiões mais atrasadas do planeta, e, finalmente, apagões que nos condenam a um retorno a hábitos, Oswald de Andrade continua a ser uma personalidade que faz muita falta.

Talvez para nós brasileiros, acostumados a nos adaptar às adversidades, fosse necessário pelo menos tentar modificar uma das características que nos distingue: a falta de memória, que tantas coisas valiosas de nossa história acaba perdendo. E para esse exercício de rememorar, novamente o livro de Maria Augusta Fonseca se mostra importante, em especial ao apresentar a peça “O Rei da Vela”, que Oswald de Andrade escreveu em 1937, que destila uma Crítica profunda sobre os riscos da hipocrisia, alienação e o conformismo. Encenada somente 30 anos depois de publicada, em 1967, sob a direção vanguardista de José Celso Martinez Correia, a peça se mantém atual porque, nas palavras do próprio Zé Celso: “Não é a peça de Oswald que é datada, é o Brasil que é datado!”.

Em 2000, em plena crise do “apagão” elétrico “O Rei da Vela” voltou aos palcos brasileiros, quase 30 anos depois da primeira montagem, e com a mesma força crítica capaz de inquietar as platéias modernas, ao mesmo tempo em que parecia transformar a ficção em realidade, quando os telejornais mostravam reportagens sobre o retorno de lampiões e velas de sebo nas modernas residências de nossas cidades.

Infelizmente ainda hoje convivemos com “apagões” mais graves, pois dizem respeito à moralidade, e a visão crítica do “Rei da Vela” oswaldiano ainda parece bastante apropriada, com sua carga de denúncia e inconformismo, e estaria exigindo uma nova montagem! Enquanto a aguardamos, nada mais salutar que a leitura do Livro de Maria Augusta Fonseca, que permite que novos leitores se iniciem na genialidade da obra de Oswald de Andrade.

.

* Gestor Governamental do Ministério da Ciência e Tecnologia – MCT. Mestre em Sociologia pela Universidade de São Paulo e Doutor em Sociologia pela Universidade de Brasília. Professor de Sociologia nas Faculdades Integradas da UPIS – DF. Autor do livro “Um ciclone na Paulicéia: Oswald de Andrade e os limites da vida intelectual em São Paulo”

UM CICLONE NA PAULICÉIA: OSWALD DE ANDRADE E OS LIMITES DA VIDA INTELECTUAL EM SÃO PAULO (1900-1950)

MARTINS, Rubens de Oliveira. Um ciclone na Paulic̩ia: Oswald de Andrade e os limites da vida intelectual em Ṣo Paulo (1900-1950). 1997. 171f. Disserta̤̣o (Mestrado em Sociologia) РFaculdade de Filosofia, Letras e Ci̻ncias Humanas da Universidade de Ṣo Paulo, Ṣo Paulo, 1997.

Texto Um Ciclone na Pauliceia

“Vanguarda Européia e Modernismo Brasileiro”, de Gilberto Mendonça Teles

Petrópolis, Ed Vozes, 1977.

Macunaíma

Br / Sonoro / Ficção / 1969
108 min / Cor / 35mm

Direção, roteiro e produção: Joaquim Pedro de Andrade

Elenco: Grande Otelo Paulo José Jardel Filho Milton Gonçalves Dina Sfat Rodolfo Arena Joana Fomm Maria do Rosário Rafael de Carvalho Nazaré O’Hanna Zezé Macedo Wilza Carla Miriam Muniz Edy Siqueira Carmem Palhares Maria Clara Pellegrino Waldir Onofre Hugo Carvana Maria Letícia Guará Rodrigues Carolina Withaker.

Com a adaptação da rapsódia antropofágica de Mário de Andrade, o filme inova a estética do Cinema Novo ao incorporar elementos da chanchada, através da atuação de Grande Otelo, e utilizar o kitsch do Tropicalismo para transfigurar fatos da vida política que invadem o relato épico das andanças de Macunaíma entre figuras da mitologia popular brasileira. Filme emblemático do final da década de sessenta, Macunaíma atualiza o legado do Modernismo e estabelece a tão buscada relação do Cinema Novo com o grande público.

Modernismo: anos 20

Acervo MIS / 16mm
108 min / Cor / 35mm

Direção: Roberto Moreira

Quem Seria o Feliz Conviva de Isadora Duncan

BR / Curta-metragem / Sonoro / Ficção / 1991
28min/ COR/ 35mm

Direção: Júlio Bressane

Elenco: Carol Parrot, Clara Kutner, Eduardo Tornaghi, Isadora Ferrite, Luis Claudio Mendes Santos, Noa Bressane, Pascoal Vilaboim, Paula Faustini ,Soraia Jarlich, Tande Bressane.

O lendário e frustrado encontro de Oswald com a musa da dança Isadora Duncan, numa leitura poética e satírica, na qual o provincianismo urbano do passado defronta-se com rasgos do modernismo e com as vocações dos personagens.

Ponta de Lança

1943-44

Compilando artigos e conferências escritos entre 1943 e 1944 por Oswald de Andrade, PONTA DE LANÇA é um retrato dos ideários políticos e estéticos de um dos líderes da Semana de Arte Moderna e do movimento modernista.

“Seven Faces – Brazilian Poetry Since Modernism”, de Charles A. Perrone

Autor: Charles A. Perrone
EUA: Duke University Press, 1996

“Tarsila: Sua Obra, Seu Tempo”, de Aracy A. Amaral

Autor: Aracy A. Amaral
São Paulo: Edusp e Editora 34, 2003

Este livro estabeleceu novo padrão para as pesquisas de artes plásticas em nosso país, ao estudar a trajetória de Tarsila sob o prisma da obra e de seu tempo, permitindo ao mesmo tempo melhor entendimento do modernismo brasileiro. Para sua pesquisa, contou com os depoimentos da própria artista, contribuindo para que documentos e testemunhos materiais que permaneciam no fundo das gavetas ou na memória dos participantes viessem a público. O livro é um ponto de partida exemplar para a o desenvolvimento de novas pesquisas sobre a arte brasileira no século XX.