“Tropicália: A Revolution in Brazilian Culture”

Organização: Carlos Basualdo
São Paulo: CosacNaify, 2005 (edição em português prevista para 2006).

Mais do que o catálogo de Tropicália: uma revolução cultural no Brasil – exposição com itinerância internacional montada pelo Museu de Artes Contemporâneas de Chicago, com curadoria de Carlos Basualdo -, este livro apresenta um panorama da cultura brasileira no período entre 1967 e 1972, incluindo as áreas de artes plásticas, música, cinema, arquitetura, teatro, design gráfico e moda. A obra tem vocação para tornar-se uma referência sobre o movimento brasileiro Tropicália, contemporâneo dos movimentos artísticos de ruptura que irromperam no mundo inteiro nos anos 60 e 70. Com uma seleção de textos históricos, imagens e ensaios de reflexão sobre o período, traz contribuições de especialistas nas diversas áreas da cultura brasileira, produzidas especialmente para o volume. Entre outros, podem ser lidos ensaios de Ivana Bentes, Celso Favaretto, Flora Süssekind, Christopher Dunn e Hermano Vianna, além do texto introdutório do curador Carlos Basualdo. A seleção de textos históricos compreende desde textos e manifestos que, embora escritos anteriormente ao período compreendido, compartilham com o Tropicalismo o espírito crítico em relação à cultura brasileira, como o “Manifesto antropofágico”, de Oswald de Andrade, “Vivência do Morro do Quieto”, de Hélio Oiticica, e “Cultura e não cultura”, de Lina Bo Bardi, até a seção que foi chamada, no livro, “Vozes da Tropicália”, com os textos fundadores ou mais diretamente ligados ao movimento, como “O Rei da Vela: Manifesto do Oficina”, de José Celso Martinez Corrêa, “A cruzada tropicalista”, de Nelson Motta e “Tropicália”, de Hélio Oiticica, entre outros. A última parte desta seleção traz textos que interpretam ou fazem um balanço do tropicalismo, alguns mais aderentes, outros mais críticos, porém que ainda guardam o calor do momento, como é o caso de “A explosão de Alegria, alegria”, de Augusto de Campos, “Tropicalismo, antropologia, mito, ideograma”, de Glauber Rocha, “Cultura e política”, de Roberto Schwartz e “Que pensa você do teatro brasileiro”, de Augusto Boal. A obra inclui uma cronologia do movimento, estabelecida por Basualdo.

Tags: , , ,

Deixe um Comentário